4 mins read

O que é restauração de ionômero de vidro?

Para que serve o ionômero de vidro?

Indicações do cimento de ionômero de vidro

Restaurações temporárias; Restaurações de classe I, III, V; Restaurações de dentes decíduos; Restaurações mistas (sanduíche);
Em cache

Quanto tempo dura o ionômero de vidro?

De 6 meses a 2 anos, dependendo do material.

Qual a desvantagem do ionômero de vidro?

A resistência ao desgaste desse material é adequada para pequenas cavidades do tipo classe I, porém cuidados devem ser tomados no caso de restaurações maiores. Algumas das maiores desvantagens dos cimentos de ionômero de vidro são: • Curto tempo de trabalho e longo tempo de presa.
Em cache

Como fazer restauração com ionômero de vidro?

Técnica de Trabalho:

Divide-se o pó em duas metades. Goteje o líquido com o frasco na posição perpendicular. Aglutina-se a primeira metade do pó ao líquido e manipula-se 1 por 15 segundos. Adiciona-se o pó a massa e manipula-se por mais 15 segundos obtendo-se uma massa cremosa, vítrea e úmida.
Em cache

Quais os 4 tipos de ionômero de vidro?

De acordo com as suas aplicações clínicas são classificados em: Tipo I, para cimentação ou fixação de restaurações rígidas. Tipo II, para restaurações diretas, estéticas e intermediarias ou reforçadas. Tipo III, para forramento ou base e selamentos de cicatrículas e fissuras[8, 9].

O que é ionômero em odontologia?

O ionômero de vidro promove bastante adesividade ao dente e libera flúor. A restauração dentária é um procedimento odontológico que permite a recomposição do dente depois de ter sofrido uma fratura ou uma cárie. E existem diversos materiais que possibilitam esse procedimento, um deles é o ionômero de vidro.

Quando usar ionômero de vidro na restauração?

Adesividade do ionômero de vidro

Assim, é recomendado para restauração simplesmente, sendo preterido para obturação, já que algumas envolvem o selamento de uma cavidade que acometeu a dentina, onde o ionômero de vidro não consegue se aderir com facilidade.

Quando é indicado o CIV?

O CIV é utilizado com frequência para cimentar peças protéticas, principalmente coroas totais, metalocerâmica, coroas em porcelana pura reforçadas e núcleos metáli- cos fundidos.

Quando usar CIV ou resina?

O uso combinado de cimento de ionômero de vidro (CIV) e resina composta é largamente indicado nos procedimentos clínicos odontológicos. Ao associar os dois materiais objetiva-se que as características desejáveis de cada um sejam somadas, melhorando as propriedades e a taxa de sucesso da restauração final.

O que é restauração de ionômero?

O ionômero de vidro promove bastante adesividade ao dente e libera flúor. A restauração dentária é um procedimento odontológico que permite a recomposição do dente depois de ter sofrido uma fratura ou uma cárie. E existem diversos materiais que possibilitam esse procedimento, um deles é o ionômero de vidro.

Qual a desvantagem do CIV?

Desvantagens do uso de CIV

A versatilidade desse material esbarra em algumas desvantagens, por exemplo, a diminuição em seu uso clínico, e como consequência sua limitação estética e mecânica em relação às resinas compostas, fragilidade e resistência mecânica inferior.

Como tirar CIV do dente?

Precisa ser retirado por um dentista com auxilio de brocas.

Quando usar ionômero?

Os cimentos de ionômero de vidro convencionais podem ser indicados para o selamento provisório de cavidades, devido as suas propriedades favoráveis de adesão à estrutura dentária, liberação de fluoretos, paralisação do processo de cárie e baixo custo.